sábado, 5 de fevereiro de 2011

Ai, Adelaide, esqueci!

- Antigamente as crianças eram arteiras, lembra, Adelaide? Aquelas crianças que moravam naquela casa ai em frente? Elas me deixavam maluca, todo dia elas tocavama a campainha e corriam, pulavam o muro para pegar a bola que caia no meu jardim, pisavam nas minhas plantas, pegavam as frutas da minha pitangueira, atiçavam passarinho, ficavam gritando - Matiiiiiillllldeeeeee, vem tomar uma cafézinhooooooo!!! Matiiiiiiiillllllldeeeeeeeeee, vem comer uns biscoitinho.... Olha que a mãe era bem rígida, tudo no horário, ensinava pedir licença, dar bom dia, falar por favor e obrigada, mas eram muito danadas!
- Hoje as crianças são mimadas, as mães não sabem dizer não, tem medo de dar limite, Matilde!
- Ai, Adelaide, esqueci, como era mesmo o nome das crianças? Eram nomes combinados, não é, Adelaide?
- Eram nomes diferentes, não combinados. Lembra, Matilde, a mãe deixava as crianças de calcinha e cueca, na área da frente da casa, ligava a mangueira e deixava eles brincando com água a manhã toda... eles ficavam molhando os carros que passavam na rua!
- Eu lembro que vira e mexe a gente ajudava a socorrer alguma criança, sempre ela corria com alguma criança estrupiada até o pronto-socorro, ainda bem que o pronto-socorro ficava ali na esquina... tão bonita aquela moça, lembra Adelaide?
- Ela tinha um cabelo bem bonito, bem tratado, eu cortei muito aquele cabelo! Ela gostava de deixar o cabelo liso, dizia que não dava tempo de ficar chocando a cuca debaixo do secador, ela tinha muito filho para cuidar!
- Ela era boazinha, aquela moça, tinha uma paciência com aquele tanto de filho, ela engatava uma barriga na outra! Ai, Adelaide esqueci!
- Matilde, você tomou o remédio direitinho, minha filha? Você anda muito esquecida!
- Eu sou assim, Adelaide!
- Você é distraída, avoada, esquecida, não, Matilde! A gente vai começar a fazer palavras-cruzadas todos os dias, cedo, dizem que é bom para o cérebro, ajuda a memória, você é muito moça para ficar esquecida!!! Ainda não quero saber de programa de terceira idade
- Ai eu esqueci, Adelaide?
- O nome daquela cidade que a gente visitou naquela excursão do clube!
- Caxambu, Matilde!
- Isso, Caxambu!
- Que tem Caxambu, Matilde?
- Era o nome do cachorro deles, lembra, Adelaide, como era feio aquele cachorro?
- Acho melhor ir até o jornaleiro comprar um Coquetel. Vamos, Matilde?
- Prá que coquetel, Adelaide, Eu não quero beber a essa hora!

4 comentários:

Dinorah disse...

Paola,
Está ótimo! Você está cada vez melhor, é muito gostoso ler seus textos. Adorei o "En não quero beber! ha ha ha, muito bom.
um beijo

vera disse...

Adorei!Continue nesta proposta...Sinto que sou inspiração para muitas das suas personagens.Sinto me muito feliz!Com minha idade as vivências são muitas e consequentemente muitas histórias....Bjos Vera

Paola disse...

Dinorah, obrigada, estou exercitando um novo jeito de contar as coisas, inventando tudo a partir de lembranças remotas!
bj
PAola

Veroca, querida,
que bom que vc se reconheceu!
ahahahahahaha!
Obrigada, continue participando!
bj
PAola

Nei kS disse...

yeah!