domingo, 14 de junho de 2009

Tanto tempo depois


Sem exageros, posso assegurar, passei boa parte da minha infância lá em Atibaia. Era uma casinha de campo com lareira, num gramado exuberante, com pinheiros, eucalíptos, ipês e aquela paineira no fundo do terreno. A casa ficava num condomínio onde todos se conheciam, as casas não tinham muro e as crianças brincavam soltas, literalmente.
Antes de nos mandar para escola, muitas vezes, minha mãe preferiu ficar por lá conosco, durante muitos dias, sem pressa.
Acho que já contei alguns casos que aconteceram por lá. Foi lá que meu irmão com nome leguminoso quebrou a perna, foi lá que a empregada vinda do interior do sertão, pôs as fraldas limpinhas e já fervidas, de molho dentro do vaso sanitário.
Nesses dias frios, quando a mutação em picolé está praticamente completada, sinto aquela saudade gostosa do frio que sentíamos por lá, que era remediado, totalmente na frente da lareira, sentávamos no tapete, aquele, o tapete da vaca mimosa, esperando a hora de ir dormir.
Vira e mexe encontro algum amigo, a mãe ou a tia de algum amigo daquele tempo, as pessoas daquela época com quem convivia, reconheço em segundos, alegria total.
Pois é, mas nessa semana aconteceu algo muito curioso.
Encontrei duas conhecidas, converso bastante com uma delas, com a outra não, de repente essa, com quem eu converso pouco lasca a pergunta: Paola, você passava as férias lá em Atibaia? Você não mudou nada!
Depois de mais de trinta anos eu não mudei nada, fui dormir completamente rejuvenescida!
Se mudei ou não, não sei, mas fui reconhecida, portanto o caso não é tão grave!
(Será que os cremes já estão dando resultado?)

6 comentários:

LuMa disse...

Ô gatona, com essa beleza, mesmo com o passar dos anos não cobre seus traços, tá explicado. É gostoso encontrar, de supetão, alguém que te reporta à infância, e nos faz palpitar de emoção. O encontro puxa tudo: as músicas, o modo como se vestia, as comidas, os cheiros e, claro, as nossas primeiras vaidades. É qdo entra aquele chavão: "eu era feliz e não sabia..." (rs). Beijos.

Patricia Daltro disse...

É tão maravilhoso isso, Paola! Ser reconhecida e mais, dizerem que não mudamos nada! Eu, nessa situação, ganho o dia! kkkkkkk
Não sei se é só o creme, mas acho que é também, a felicidade de ter encontrado um caminho novo (vislumbrado através da leitura de posts anteriores).

asnalfa disse...

Ai que delicia de texto! Amei as fotos tb! Qual o nome do seu irmão? (curiosidade!!!)auhhuaha
E pq a empregada pos as fraldas no vaso, meudeusdoceu???

Paola disse...

LuMa,
Eu adoro essas surpresas, e encontrar as pessoas me faz um bem incrível!
E tenho que admitir, ser feliz faz parte de mim

Paola

Paola disse...

Patrícia,
Esse mundo novo estea me fazendo um bem incrível, eu gosto desses desafios!
Beijo

PAola

Paola disse...

Asnalfa,

Obrigada, seus elogios são incentivo para mim, assim continuo querendo escrever!
Fiz uns links informativos, já escrevi sobre esses casos! São histórinhas bonitinhas! Se vc escrever Atibais em procurar no Blog vão aparecer todos sobre o lugar!
Amanhã recebo os shampoos da Lola e mando para ela em seguida!

PAola