sábado, 15 de agosto de 2009

Sobremesa de Natal


Todo ano, no Natal, passamos o a noite do dia 24 com minhas cunhadas, e o dia 25 com meus pais e meus irmãos.
Naquele ano, nos preparativos para os festejos me comprometi a levar para as duas comemorações uma das minhas especialidades especiais, do tipo zapt-zupt, afinal uma mãe com três filhos precisa ser prática.
Mesmo com toda presteza possível passei um tempão preparando tal guloseima, a matemática era simples, tenho que levar um prato para cada festa, se escolher a mesma receita, dobro os ingredientes e divido o trabalho, dito e feito, foi isso mesmo que aconteceu, havia mais um complicador, como transportar tal sobremesa sem estragá-lo pelo caminho? Colocando num pirex alto, assim eu poderia embrulhar num alumínio, show de bola!
Tudo certo, depois de passar a manhã do dia 24 envolvida nesses preparativos, à tarde me embonequei, e fomos para a primeira festa.
Sair de casa com três criança na noite de Natal é praticamente uma mudança, além das crianças e suas sacolas, as sacolas de presentes, além é claro do pirex embrulhado.
Ao chegarmos na casa da minha cunhada, em meio aos cumprimentos o pirex com a mais gostosa das tortas de limão, foi ao chão, se espatifou no paralelepípedo da calçada, nossa ceia havia emagrecido. Juntamos a sujeira e o Natal correu na maior alegria.
Dia 25, maratona continua, juntamos as crianças e suas sacolas, sacolas com presentes, dessa vez também refrigerantes e o pirex com a maravilhosa torta de limão remanescente, enfiamos tudo no carro e fomos para o sítio, logo ali.
Depois de uma viagem tranquila chegamos, descarregamos o carro, primeiro as crianças, depois suas sacolas, as sacolas com presentes, os refrigerantes e por último, depois de todos os cumprimentos, com o caminho livre a famigerada torta.
Consegui um espaço na geladeira, arrumei tudo, fui confraternizar com a família, contei a desventura da primeira torta, todos riram e até comemorava, "a nossa se salvou!"
Chegou a hora de começar a servir os aperitivos, minha mãe pediu que eu pegasse o patê na geladeira, foi aí que o inusitado aconteceu, ao abrir a geladeira o pirex com a última das moecanas tortas escorregou e também se espatifou no chão,ao ver tal cena tive vontade de chorar, duas enormes tortas e nenhum pedacinho para degustar, dois pirex inusitados e nenhuma possibilidade de receber um elogio, mínimo que fosse.
As coisas estão mais civilizadas, as crianças creceram, tudo está mais organizado!

2 comentários:

asnalfa disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
Coitada de vc! É uma pena que isso tenha acontecido. Ah proposito, estou adorando os ultimos posts do seu blog! É divino! Adoro esses encontros e desencontros da vida!
Nao tinha uma maneira de carregar a torta num pirex de aluminio ou plastico nao?

Paola disse...

E a boniteza, eu deixava em casa?