sábado, 1 de novembro de 2008

Atenção - Crianças no Recinto


Uma vez, ouvi de uma parenta distante que um dos irmãos do Nono Beppe, morreu com quase 100 anos, mas não foi de morte morrida, foi de morte acidental. Segundo a versão apresentada, o centenário senhor, estava muito bem, só um pouco cego, confundiu a janela com a porta, e puft, (com gestos das mãos) caiu e morreu.
Quando eu ouvi essa história, precisei de muito auto-controle, estávamos no hospital, Nono Beppe já muito doente, minha tia olhava para mim e mordia o lábio. Tivemos que ir embora para rir no estacionamento. Imaginávamos a cena, não era possível que alguém em sã consciência acreditasse numa lorota dessas, e ainda por cima contasse, na beira do leito de morte de um quase centenário, irmão do dito cujo. Quem conheceu o nono Beppe pode imaginar a cara que ele fez.
Essa história já rendia muito, mas ficou ainda melhor quando eu descobri como ela pode ter surgido.
Anos mais tarde, levei a filha-que-já-votou para passar as férias na casa do meu avô na praia. Era uma apartamento no oitavo andar, nada seguro, todas as janelas muito baixas, um perigo.
Meu avô já era viúvo e a irmã do meu pai morava com ele. Meu avô era o último remanescente daquela geração, minha filha tinha conhecido uma das minhas avós. De repente escuto a Nana, apelido dado à minha tia pela pequena espalha brasa, dando uma bronca na pimpolha, o teor era exatamente esse: "Sai daí já! Se você cair, você morre e vai pro céu, junto com a Nona Irma!".
A partir desse dia, atenção redobrada, cuidado total com as janelas.
Numa tarde, estavam sentados na sala Nono João e pimpolha, ela contando a seguinte história :
"Sabe Nono, a Nona Irma caiu da janela e puft, morreu e foi para o céu!"
Todos acharam bonitinho, mas passou.
Passados mais alguns anos, a filha-que-já-votou, agora com uns seis anos, me perguntou: "Como que a Nona Irma caiu pela janela?"
Ah! Eu entendi, nenhum parente senil subiu no parapeito imaginando-se Super-Homem!
Por isso, minha gente, cuidado! Às vezes eu ainda pergunto se ela lembra da Nona Irma, só para garantir!
Tem a história da cor dos olhos! Mas fica para depois!

2 comentários:

Camomila disse...

Olha, eu amei essa história. Morri de rir quando li, mas só estou comentando hoje!
Aliás, eu ri de novo só de imaginar uma senhora contando que que o outro fez "puft".
Família é um barato!

Paola disse...

Quando lembro da figura, não tem jeito!
Ela era bem ruiva, o cabelo preso num coque que na frente fazia um aonda para cima, fazendo puft!

Só rindo, muiiiiito!