sábado, 13 de setembro de 2008

Lavagem capilar quase à seco

Ontem ao chegar em casa a filha caçula estava radiante, na escola, durante a hora-livre, as amigas e ela abriram um cabelereiro, no primeiro dia o serviço foi gratuito, mas agora elas estão cobrando olhos-de-cabra.
O cabeleireiro é coisa fina, tem tatuagem e maquiagem, penteados e tererê com capim, manicure e até, veja só, lavagem-quase-à-seco! Como assim? Ah! É uma lavagem com pouca água!
Alguém levou um pote de gel com gliter, foi a festa, fizeram muitos penteados!
Fico tão contente quando eles contam essas coisas (ela mais, o outro é lacônico demais para ir se abrindo assim!). Claro que me preocupo com o que aprendem nas aulas, com as atividades pedagógicas, mas essas coisas que acontecem nas horas-livres, são muito importantes, sem a tutela do adulto, sem a cobrança de resultado, a brincadeira por si só, pode ser uma escavação, a construção de uma cabana, um circo, muitas possibilidades.
Gosto de pensar que as crianças estão desenvolvendo várias habilidades!
A caçula sempre foi muito criativa, expansiva, desde que foi para essa escola passou a se expressar com mais tranquilidade!

5 comentários:

Milena disse...

Na época de natal, eu, meu irmão e o "povinho da rua" montavamos um pedágio. Todos os carros que passavam na nossa rua tinham que contribuir para uma causa nobre: JUNTAR UMA CAIXINHA para darmos pros lixeiros!
Era uma delícia, já que a rua em que eu morava era bem tranquila e a gente se divertia horrores! E na hora de entregar tudo pros lixeiros então? Tinha uns que até choravam!

Na época eu nem precebia, mas minha mãe, pra incentivar, passava de carro na rua umas 30 vezes por dia... Pra contribuir! Rá!

Beijoooooo

Paola disse...

Milena,
Ai que delícia!
Sua mãe é mesmo especial!
Adoro essas histórias de mobilização voluntária de crianças!
beijos
PAola

Cristina Sampaio disse...

Que brincadeira boa, Paola, muito divertido esse post, bem leve, assim como as crianças costumam ser, você escreveu no tom exato da criançada. Lavagem-quase-à-seco, ou seja, com pouca água; isso foi ótimo. Sua filha caçula parece ser adorável, tão interessante quanto a que já sabe votar e que inspirou esse blog. Só falta conhecer sobre esse menino lacônico, que pelo jeito prefere não aparecer muito por aqui, aí não lhe dá material pra escrita. E já estou trazendo-o pra cá, fazendo suposições sobre ele.
Beijos

Paola disse...

Cristina,
Suas visitas são tão boas, sabe que ainda não entendi direito o que acontece comigo, as coisas vão saindo, ainda não tenho controle!
Obrigada
Paola

Cristina Sampaio disse...

Não controle, deixe que saiam. Assim, quem sabe, um dia o controle surje. Não se preocupe com ele, deixe fluir, desse jeito espontâneo fica gostoso de ler.