sábado, 19 de setembro de 2009

Mudando o Disco*

Vou confessar, preciso passar uns três anos sem ouvir nenhuma bossa-nova, estou enjoada, e justo agora começa mais uma novela no eixo Leblon-Búzios, é muita bossa-nova para um ouvido cansadinho como o meu.
EStou de saco cheio dessa ideia de "a vida é linda quando se ouve bossa-nova", até pode ser, mas existem outros ritmos, que estão por ai, tem espaço para todos na minha vida.
Ganhei um presentão: A Caçula me convocou, a filha-que -já-pode-votar aproveitou a carona, me disseram que hoje, às duas, a menor tinha um tal ensaio, tá bom, eu levo. Lá fui eu, sai correndo, peguei todo mundo na escola (hoje foi um sábado letivo, pelo motivo da tal da gripe, lembra?), almoçamos e conseguimos aterrisar em cima da hora, a espera já estava nos planos.
Ai eu vi um palquinho montado, uma agitação, era contrabaixo prá-cá, trombone prá-lá, sentei no por ali, logo o show começou, era disso que eu estava precisando, de uma surpresa, era a Tradicional Jazz Band, delícia, comemorando aniversário de 45 anos!
A assistência foi se aboletando como pode, uns pegaram cadeiras, outro puxaram os bancos do jardim, muitos sentaram-se no chão mesmo, a música começa, e a plateia se anima.
Era um show à tarde, muitas crianças estavam por ali, mas um menino, em especial me chamou a atenção, dois anos no máximo, ele e o irmão gêmeo ouvindo a música, o irmão ficou olhando, o outro foi invadido pela música, ele dançou, dançou, num ritmo perfeito. Outras crianças também estavam animadas e dançaram, mas ele, estava inebriado, ele entendia cada batida, sentia a vibração, respondia com movimento.
No fim, o tal do ensaio não era hoje não, a Caçula ficou toda chateada, não tem problema não, eu aproveitei muito bem o tempo que fiquei lá esperando (se toda espera fosse acomanhada de música ao vivo... eu ficava esperando mais!)
* se você não sabe, antigamente as músicas vinham gravadas em discos!

4 comentários:

LuMa disse...

Ah Paola, criança brasileira tem música no DNA, não é mesmo? Humm, jazz numa tardezinha cai bem e combina com São Paulo. Tá vendo como é bom ser motorista de família,rs?

Julie disse...

É tem lá suas vantagens!

Ana Barros disse...

Sou suspeita para falar, mas qdo toca bossa-nova minhas raízes cariocas falam + alto e eu me derreto, por isto não consigo evitar a nva novela das 8h (e olha que consegui evitar as últimas 3 ou 4 novelas, mas não consegui resistir a esta :-(
bjos

Paola disse...

Luma,
Foi uma delicia mesmo!
Ana,
Sem querer ofender ninguém, mas por aqui, tem gente abusando do direito de tocar bossa-nova, e a novela... me pareceu tão repetitiva, tão eu j´vi essa coisa antes! Hare Baba, eu pensei que já tinham esgotado com essa receita de Leblon, gente linda, rica e glamurosa....