domingo, 9 de agosto de 2009

Alimento afetivo

O maridão, desde que nos casamos, quando pergunto o quê é que ele quer comer, com certa frequência responde: "Arroz de forno", antes ele chamava esse prato de "Risoto", depois de devidamente traduzido por meio de alguns desentendimentos, descobrimos que não falávamos sobre a mesma coisa. Depois dos acertos linguísticos, minha resposta, invariavelmente é não!
O tal de "Arroz de forno", do qual ele se refere é um prato que foi muito comum na década de 70, que também pode ser chamado de "játivi enformado", é simples, eu sei, basta misturar naquele arroz de ontem o que tiver, molho de tomate, milho-verde, ervilha, frango desfiado, queijo ralado, colocar num pirex untado, levar ao forno para gratinar, servir quente, é isso, acontece que eu não gosto, já comi muito disso.
Nós, maridão e eu, sofremos de incompatibilidade degustativa, os pratos preferidos dele, não são os mesmos que os meus, hoje ele sugeriu que a comida da minha casa não era gostosa, afinal, ele disse, eu não faço as coisas que minha mãe fazia quando eu era criança!
Que bobagem! Minha culinária é hereditária, já, já vou fazer uma pizza enrolada, de onde eu tirei essa ideia? Acontece que eu adoro coisas que ele não curte.
Lembrei, então, do strogonof, que eu adoro, ele nem tanto, interessante é que essa é uma receita de família, tanto da minha quanto da dele, mais interessante é que a receita é exatamente a mesma, a versão do caderno da minha mãe é a mesma do caderno da minha sogra, a mesma!
O caso é que lá em casa vivíamos num regime militar, ninguém tinha autorização de reclamar da comida, era comer e laber os beiços, ou ficar com fome até a próxima refeição, afinal, durante muitos anos miha mãe só administrava a cozinha, e chatear a cozinheira estava fora de questão. Diferente da minha sogra, durante anos a cozinha foi comandada pela Risoleta, cozinheira de forno e fogão, sem problemas com super população doméstica, com tempo para o preparo completo das refeições.
Ultimamente, devo confessar, meus dotes culinários estão um tanto adormecidos, estou muito simplista, isso sim, eu sei que para agradar o maridão não é preciso muito contorcionismo culinário, num cardápio dos sonhos estariam incluídos, arroz e feijão, salada de alface e tomate, panquecas de carne, torta de frango, file de frango, bife enrolado, carne de panela, carne assada, macarronada, macarrão de forno. A diferença fundamental são as receitas com verduras e legumes, adoro abobrinha, beringela, sopas, risotos e claro as carnes, mal passadas e suculentas.
Ao longo dos anos fomos nos adaptando, ninguém passa fome, não, às vezes, uma ou outra receita renasce das cinzas, se cai no gosto popular tem sua segunda chance, se não, volta para o purgatório das receitas esquecidas junto com o arroz de forno do maridão.

7 comentários:

LuMa disse...

Paola fofinha, que prazer te rever e reler suas elucubrações domésticas. Bastou um pouco mais de um mês de ausência e já estava com saudades de ti! Verduras como as que se refere? Hummmm...não podem faltar nem pra mim. Comí muito chuchu, quiabos, mandiocas fritas, madioquinhas e tudo mais. Ô, qto é bom ser circundada pelo cinturão verde! Beijinhos!

asnalfa disse...

Sabe o que eu queria comer? Risoto (com aquele arroz parboinizado), alho porro, alcachofra e lula. Aqui na minha cidade nao tem disso!!
Ah proposito.. odeio arroz de forno. Mas adoro strogonoff e as verduras que vc citou, prinicpalmente berinjela. Tb adoro quiabo!!
Bjos!

Paola disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Paola disse...

LuMa,
Desde sempre, em casa comíamos berijelas de todos os jeitos, abobrinhas, cenouras, também muito grão de bico, feijão branco, sopas mil, de tudo! essa era nossa dieta básica!

Asnalfa! Eu adoro risoto de alho poró! Aliás eu adoro alhp poró, coloco em todas as sopas!
Ei vc quer? EU mando um pacote de arroz, por sedex! Mnada o endereço!

PAola

asnalfa disse...

Paola!
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
valeu a intençao!! Na verdade quero comer é o seu risoto com alho poró! Hum!!!

Loreta disse...

TAmbém mando, só não garanto a temperatura!

Paola disse...

Essa ai em cima sou eu!

Sou fraca em verificação de identidade!

Rá!