quarta-feira, 18 de março de 2009

Peixe Dourado


Peixe Dourado - Le Clézio

História de Laila, raptada ainda pequena em sua tribo na África, é vendida à uma velha senhora que a educa com primor, com a morte da protetora conhece todo tipo de violência, mas sai em busca de suas origens.
Mais um livro que trata de busca e auto-conhecimento, ausências, carências e a maneira de sobreviver num mundo perverso.
Estou quase acabando, o ritmo é ágil, bem ao meu gosto, não se perde em detalhes.
Inventei, para mim, um projeto, ler pelo menos um livro do ganhador do Nobel do ano, que está em pé, já que me propus a isso em 2005, o Le Clézio foi laureado em 2008, mas o de 2009 ainda não saiu.
Faltam muitos ainda, meu plano é ler retroativamente, de agora para o passado começando pelos últimos dez anos, então vejamos:
2007: Doris Lessing (Verão antes da Queda, Canção da Relva, Carnê Dourado, Quarto 19, O sonho mais doce)
2006: Orhan Pamuk (Neve )
2005: Harold Pinter (Não li)
2004: Elfriede Jelinek (Não li)
2003: J.M. Coetzee (Desonra, Homem Lento)
2002: Imre Kertesz (Não li)
2001: V.S. Naipaul (Não li)
2000: Gao Xingjian (Não li)
1999: Guenter Grass (Não li)
1998: José Saramago (Memorial do Convento, História do Cerco de Lisboa, Evangelho, O Homem Duplicado, Ensaio sobre a Cegueira, Ensaio sobre a Lucidez, Todos os Nomes, A Jangada de Pedra, Bagagem do Viajante, MAnual de Caligrafia e Pintura, A Caverna, Levantado do Chão, Dom Giovanni, Pequenas Memórias, Objecto Quase,O ano da Morte de Ricardo Reis, Cadernos de Lazarote, In nomine Dei, A maior Flor do Mundo, Que farei com esse Livro, O conto da Ilha desconhecida, Intermitências da Morte e Viagem do Elefante)
Dessa lista toda, o único livro que eu não gostei, pelo jeito que é escrito, pelo tema, por tudo foi o Neve, os outros, todos são muito bons!
É eu leio bastante, mas ainda falta muito para eu poder atacar os anos anteriores.
Projeto é assim, às vezes não dá para ter pressa.

4 comentários:

LuMa disse...

Brava, Paola! Pudera ler tantos títulos como vc, mefaz sentir analfabeta!

Repetindo a sua última frase, no meu caso, não dá pra ter pressa MESMO,rs... Estou com uma dezena deles me aguardando na estante, e se não bastasse, tenho um Italo Svevo("Uma Vida")na cabeceira da cama; J. Joyce("Deblinenses")dentro da bolsa para ler no metrô e uma biografia de Cícero sobre a escrivaninha. Depois de trabalhar, lavar, passar,fazer compras, cozinhar e limpar a casa, qdo pego o livro na mão, já é meia noite, é mole?

Paola disse...

LuMa,
Sei bem como é, inclusive lendo seu comentário lembrei que durante um determinado tempo eu li muito pouco, quando de repente uma ficha caiu, ler para mim é tão importante quanto dormir e comer, por isso, decidi, inclui na minha rotina um espaço para leitura.
Funciona muito bem, para mim é terapêutico, se disponho de meia hora por dia para ler, fico muito mais tranquila e todo o resto sai muito melhor.
Antes eu me sentia culpada de estar lendo, mas depois eu assumi esse gosto! (Às vezes outras coisas acumulam, mas eu aprendi a administrar isso também!)

Beijos

PAola

Kovacs disse...

Paola, acho que o Orhan Pamuk merece mais uma chance. Eu recomendaria "Meu Nome é Vermelho". Quem sabe você não tira essa má impressão de "Neve". Parabéns pelo blog, cheguei por aqui através da Ana e gostei. Passo a acompanhá-la.

Paola disse...

Kovacs,
Bem-vindo!
Você é a primeira pessoa que me diz algo positivo sobre Osman Pamuk, vou ler!

Obrigada


Paola