quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

Não tem explicação

Hoje de manhã encontrei minha vizinha, que junto com o bom-dia se desculpou pelo xilique que teve ontem, durante a lição-de-casa da filha, que tem sete anos, que achou que eu pudesse ter ouvido, nada que eu não tenha visto ou vivido, também.
O caso é que a professora (uma daquelas que queria ser carnavalesca, que na reunião do começo do ano avisou que as mães não deveriam ajudar os filhos de sete anos fazer lição de casa, afinal a obrigação é das crianças), mandou para casa, DUAS pesquisas, as crianças de sete anos deveriam procurar no Google, veja bem o pedido (da professora que com certeza tomou um gole a mais de água de privada em jejum): como os primeiros mapas foram feitos(?????) e uma singela pesquisa sobre a História do Carnaval!
Afinal, qual é o problema? A professora mandou uma pesquisa para casa, é só isso!
Muito bem, vou contar para vocês, lembrando sempre, é claro que a Chata-de Galochas, baixou aqui, e lembra a todos que além de mãe dos três rebentos, agora bem grandinhos, ela é formada em Pedagogia, na PUC (ai meus sais!).
Quando eu entrei no Ginásio, era assim que se chamava o Ensino Fundamental II, ou o Iº Grau (5ª a 8ª), as escolas em geral eram todas iguais, professor lá na frente, alunos de cara com a nuca do amigo da frente, decorebas mil, para minha sorte, minha mãe me colocou na escola mais legal do mundo, no meio de uma área de Mata Atlântica preservada, com uma proposta pedagógica diferenciada, todinha fundamentada em experiência e pesquisa, só que não era assim, sair pesquisando, para início de conversa, não existia computador, muito menos Google, era no livro mesmo, e pasmem, com orientação, a professora de História e a professora de Português ensinavam aos alunos fazerem pesquisa, depois a redigir a pesquisa, fazendo um esquema, um resumo, uma síntese, tudo, então é dessa pesquisa que estou falando.
Vemos por aí, que muitas escolas, e estou dizendo sim escolas, pois não é só um ou outro, são todos os professores, estão equivocados e usando pesquisa no lugar de aula, estão enfiando pesquisas completamente desnecessárias como instrumento de aprendizagem.
E ai entram minhas perguntas retóricas, mas perguntas:
Uma criança de SETE anos é capaz de entender o que é um mapa? Ela já teve experiências suficientes para ter noção do significado, da utilização de um mapa? Como essa criança de SETE anos vai selecionar informações úteis para saber como os primeiros mapas foram feitos? Qual é o significado de um mapa para uma criança de SETE anos? Uma professora de segundo ano ( a antiga primeira série), nessas alturas do ano, menos de um mês de aula, deveria estar muito preocupada em trabalhar com as crianças NOÇÕES de socialização, quem sabe pedir que os pais contem a História do seu nome, até pedir que as crianças pesquisem o seu endereço, ou desenhem seu quarto, o caminho até a escola.
Fico curiosa de fato, o quê, meu saci-pererê da perna torta, essa professora quer chegar com os primeiros mapas, assim de cara?
E a História do Carnaval, no Google? Não vou ficar aqui escrevendo um plano de aula para trabalhar o tema "Carnaval" que não é o caso, minha questão é: Tem função estudar a história do Carnaval, com uma classe de segundo ano?
Claro que não, muitas escolas estão atravessando a pedagogia literalmente, não entenderam nada, ouviram o galo cantar e não sabem onde, nem conseguem imaginar a direção.
Há milhares de problemas, a educação brasileira está no fundo do poço, há exemplos que merecem ser seguidos, mas são raros.
A solução é trabalhosa, envolve os professores, a escola, os pais e os alunos.
Não adianta apontar para o lado e dizer que tem culpa o outro, todos têm culpa, todos são vítimas, quem vai mudar isso tudo?

3 comentários:

Milena disse...

O mais engraçado de tudo é a tal da pesquisa ter que ser feita no GOOGLE!!! Hello??? Como assim?
O máximo que eu pesquiso no google é onde fica a farmácia mais próxima, ou preços de eletronicos, sei lá...
E na minha época meu pai me ajudava a procurar na BARSA!! Bons tempos...

Alguém TEM que avisar essa "professora" que QUALQUER um joga QUALQUER coisa no google e que, portanto, esta não deve ser a forma de se pesquisar NADA!
Oh God!

PS: E eu tô velha né professorinha? Pq já tô falando "na minha época..."

bjo!

LuMa disse...

Brigadinha, Paola, pelo mail. Fico muito triste que o Estado lave as mãos de seus deveres e os privados transformem a Educação como produto comercial. Só se colhe os frutos de uma boa base educacional do povo depois de muitas décadas, o que pressupõe que estamos muito atrasados. Ainda que algo comece a melhorar hoje, vamos colher apenas dauí a 30 ou 50 anos, uma pena.

Menina do Mar disse...

Então vale Ctrl+C Ctrl+V?
Para o próximo trabalho escolar ela deve pedir que seja seguido as normas ABNT.

Parabéns pelo blog adorei!!!