quarta-feira, 8 de outubro de 2008

Caixa de Brinquedos


Sou assessora de uma Brinquedoteca, um dia foi preciso contratar uma coordenadora.
Pediram minha ajuda, fizeram uma fila, 15 candidatas.
Eu queria alguém maduro, com experiência, de preferência com conhecimentos em brinquedotecas.
Era o início das brinquedotecas, havia muita dúvida, muito equívoco. 
Quem quer fosse ficar nesse lugar deveria sentir muito prazer em estar ali.
Veio uma, veio outra, entrevistei quase todas, minha cara deveria ser de pleno esgotamento mental, me propuseram que fossemos embora, eles dispensariam a última! Não, eu entrevistaria ela também.
Perdido por 1, perdido por mil, não é assim que dizem por aí?
Entra na sala uma senhora, sorridente e animada, ao pedirmos para contar sua experiência , ela tira da bolsa um bolo de álbuns de fotos. 
Ela vinha do Mato Grosso do Sul, acompanhava o marido transferido, havia deixado para trás, além das aulas na Pedagogia, aulas de "livre brincar", uma brinquedoteca!
Além de ser especialista no assunto ela tinha uma coisa que eu procurava, um ar de quem gosta de barulho de criança, da bagunça organizada da brincadeira.
Ela veio trabalhar na Brinquedoteca e de fato eu estava cera, ela sabe tudo, mesmo quando não sabe, ela pesquisa, procura, inventa, e o mais importante, tem sensibilidade para saber mudar tudo, e recomeçar.
Ela tem um jeito acolhedor de receber as crianças, como se fosse avó de todas elas, convida para brincar, mostra as novidades, apresenta uma criança para outra, muitas vezes , quando chego lá ela está cercada de crianças, fazendo uma brincadeira , aprendendo um jogo.
Você quer conhecer um brinquedo novo?
Quer lembrar de uma brincadeira antiga?
Já não sabe as regras de algum jogo?
Não se preocupe, pergunte para a Alenir, se é brinquedo, jogo ou brincadeira,  ela vai saber!

4 comentários:

Milena disse...

Eu quero brincar com ela!!!

Beijo!!

Cristina Sampaio disse...

Que bom ler isso, Paola. Não há nada melhor do que fazer o que gosta. Pra trabalhar com crianças é preciso sentir muito prazer mesmo, elas percebem tudo, a mínima mudança nas emoções, no estado de espírito; é um exercício de auto-controle, que se torna mais fácil quando a entrega é espontânea, quando há criatividade no contato com elas, sensibilidade pra perceber o que precisam no momento, como se sentem ali, naquele instante, ou em outros lugares, com outras pessoas. Cativar, conquistar confiança, é tão fácil e tão difícil. Parabéns pra Alenir, que consegue tudo isso.
Beijos pra você.

Anônimo disse...

QUE LINDO PAOLA, VOCÊ É MUITO GENTIL E COMO TEM A QUALIDADE DE LIDAR COM AS PALAVRAS CERTAS NA MEDIDA CERTA.
OBRIGADA, ESSA JORNADA FOI E ESTA SENDO FEITA COM VOCÊ.
BEIJOS MIL

Alenir

Paola disse...

Se a Milena teve vontade de brincar com a Alenir, se a Criatina percebeu a espontaneidade e amor com que a Alenir desempenha essa sua funçao, só posso ficar contente, fui clara suficiente!
e Alenir, isso é só a verdade, nós nesse seis anos de parceria construímos algo digno de nota, um "templo" do livre brincar, coisa hoje, muito rara, nnao é?

Beijos a todas!
PAola