terça-feira, 30 de setembro de 2008

Mini Miss Mundo

No Blog Leite de Cobra, a Kenia, reproduziu a reportagem da Veja sobre o concurso de Mini Miss, se você não leu, é só clicar!
Eu não gosto desse tipo de concurso, avaliar a beleza? Como fica a vencedora? E como ficam as que não ganharam?
Os meus vinte e tantos anos de exercício da profissão como pedagoga e outros tantos como mãe me habilitam a levantar algumas questões sobre esse assunto. Achava que a questão tinha sido resolvida com o filme "Pequena Miss Sunshine", é ácido, mas toca no ponto, mas parece que algumas pessoas, ainda acham esse tipo de evento alguma coisa sensacional.
Eu, particularmente acho deprimente, cafona e exagerado, mas faço questão de explicar.
No meu modo de entender as coisas, a única diferença entre as mães das mini misses, mini modelos etc e as mães das crianças que ficam no sinal lavando vidro dos carros, vendendo balas ou pedindo esmola é a vaidade, das mães, claro, o resto é igualzinho!
Durante meus anos de magistério, nunca vi criança alguma desejar ser modelo, ou miss, criança gosta de brincar de ser miss, de brincar de ser pedreiro, cozinheira e outras mil e uma coisas, miss ou modelo está na lista das possíbilidades, nada além disso.
Interessante é que as mães dessas crianças vivem dizendo que as crianças querem? Será? Eu já vi mãe ameaçando filho, eu já vi mãe "comprando" filho, nunca vi mãe dizendo que a filha estava proibida de desfilar!
Alguém já imaginou como essas crianças se sentem? Elas não têm tempo para serem crianças, aprender as coisas em seu devido tempo.

Fico agoniada, criança é bonita por si só, não precisa de maquiagem, aplique ou anágua, criança tem a pele maravilhosa, o cabelo sedoso e cheiroso por natureza, todo mundo quando cresce fica procurando os atributos roubados pelo tempo.
E o Estatuto da Criança e do Adolescente? Só vale para gente pobre? Pai que põe criança para trabalhar é preso, perde o pátrio-poder, e de criança rica? Não perde porquê?
É uma insanidade, todas as mães gostam de dizer que os filhos vão bem na escola, e se não fosse? A criança seria afastada dos concursos?A mãe só não conta como ela pressiona a professora, né?
Se a criança disser, eu não quero fazer isso, a mãe aceita?
Não acredito que alguém possa achar algum sentido nessa história.
Para terminar, alguém me explica, quando essa criança crescer e perder a graça, como todo adolescente perde, que será dela? Como vai viver sem nenhum holofote ?
Aqui entre nós, é vaidade sim, da pior espécie, sim, é muito mais fácil se realizar na filha que buscar seus próprios objetivos, seus próprios desejos! Terapia, terapia, terapia!!!!
Acho que o único caso de criança prodígio que sobreviveu é Shirley Temple, que depois de encantar o mundo como atriz-sapateadora- mirim, virou diplomata americana. Mas vamos combinar, outros tempos, outras intenções!
(Não tem figura, fiquei deprimida com o quê achei!)

6 comentários:

Ana Barros disse...

Concordo. É um absurdo como os pais hoje em dia ainda transferem seus próprios desejos, interesses e frustações para os filhos !

Kenia Mello disse...

Menina, esse assunto já rendeu que só, viu? Falei sobre ele umas três vezes e até a suposta mãe da menina veio no blog escrever bobagem. Como se logou como anônima, não me dei ao trabalho de responder.
Enchi geral, mas está tudo lá pra quem quiser ver. Os incomodados que se mudem.
Beijos.

Camomila disse...

Esse negócio de concurso de beleza pra crianças é tão triste que prefiro nem falar muito a respeito. Está fora do meu ideal de mundo. Deus nos ajude.

Camomila disse...

Esse negócio de concurso de beleza pra crianças é tão triste que prefiro nem falar muito a respeito. Está fora do meu ideal de mundo. Deus nos ajude.

Chris disse...

Puxa vida Paola, vc escreveu isto de manhã e lembra do que conversamos à noite?????
Vi todo esse deslumbramento com te contei... Muito triste tudo isso... beijinhos

Paola disse...

Pois é, Cris, na hora achei bem interessante a história toda, tudo se reume em vaidade! Muita vaidade!Beijos
PAola